GoiâniaGoiásSaúde

Portal Dicas de Saúde – Rússia inicia transferência tecnológica para produzir vacina no Brasil

1 Mins read
Portal Dicas de Saúde - Rússia inicia transferência tecnológica para produzir vacina no Brasil
Portal Dicas de Saúde - Rússia inicia transferência tecnológica para produzir vacina no Brasil

Acordo entre o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) e a farmacêutica União Química pode permitir que a empresa produza no Brasil, ainda este ano, a vacina contra covid-19 desenvolvida na Rússia. Em entrevista coletiva de imprensa, o diretor executivo do fundo russo, Kirill Dmitriev, destacou que o processo de transferência de tecnologia já começou e, apesar de costumar durar até seis meses, deve ser acelerado devido à pandemia. 

A produção da vacina russa também deve ocorrer na Coréia do Sul, na China e na Índia, país em que os lotes também devem começar a ficar prontos neste ano. Sobre a América Latina, Dmitriev afirmou que o Brasil é um parceiro confiável e com um mercado importante e antecipou que novos acordos devem ser anunciados com o Peru e a Argentina. O executivo afirmou que os países devem buscar construir um portfólio próprio com mais de uma opção de vacina e defendeu que a tecnologia utilizada pelos russos esteja entre elas.

A vacina russa contra a covid-19 é chamada de Sputnik V e está em desenvolvimento pelo Instituto de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya. A vacina utiliza a tecnologia de vetor viral, em que outro tipo de vírus é modificado e utilizado para transportar informações genéticas do novo coronavírus. Também funcionam dessa forma as vacinas da AstraZeneca/Oxford, da Johnson & Johnson e da Cansino.

A Sputnik V, entretanto, é a única entre elas a usar dois tipos diferentes de adenovírus humano como vetores virais, um em cada uma das duas doses previstas. As demais vacinas desse tipo utilizam apenas um tipo de adenovírus, humano ou de chimpanzé, para carregar informações genéticas do novo coronavírus e desencadear a resposta imunológica do organismo.

Durante a entrevista coletiva, o pesquisador Denis Logunov explicou que a estratégia de usar dois adenovírus diferentes busca produzir uma imunidade mais duradoura. Logunov também afirmou que os testes clínicos na Rússia não precisaram ser interrompidos até o momento por qualquer ocorrência de efeitos adversos graves, e foram registrados apenas sintomas leves, como febre ou dor no local da aplicação.

Related posts
GoiâniaGoiásSaúde

Clínica Goiânia - Sabia que pensamentos positivos estão associados a melhora da saúde física e mental

Pensamentos positivos estão associados a melhora da saúde física e mental. Isso por que a positividade proporciona o aumento da longevidade, diminuição…
BrasilGoiás

Portal Dicas de Saúde - Reajustes de planos de saúde voltam a ser pagos em janeiro

Pagamento foi suspenso em agosto por causa da pandemia de covid-19 A cobrança dos reajustes anual e por faixa etária dos planos…
BrasilSaúde

Portal Dicas de Saúde - Campanha usa futebol para prevenir contra o câncer de próstata

Meta é fazer com que homens cuidem mais da saúde Uma campanha inovadora, que apela para a maior paixão nacional no Brasil…

Deixe uma resposta